Cooperativismo: A Energia Do Terceiro Milênio – Festival FB 2012

ÚLTIMO POST

Nossa, esse já é o último post da gente…. Realmente o Festival FB 2012 foi uma experiência que estará para sempre em nossa história, o último e com um dos melhores temas que a gente já teve: Música Transformando Vidas. Abordamos vários temas aqui, adquirimos informações novas, nos emocionamos, aprendemos, tivemos os momentos de diversão… Foi maravilhoso! Muito obrigada a todos os que fizeram parte disto, a todos os que conferiram nossas postagens, que comentaram e que puderam aprender algo aqui, mais que competir, era essa a nossa missão, fazer com que o tempo que as pessoas passassem no blog fosse de alguma forma útil, transformador, que nem a Música. Então, pra fechar com chave de ouro, colocaremos aqui o Grito de Guerra da nossa sala, M21CM, para este Festival. É composição de um de nossos amigos, Thiago Belo, que inclusive compôs uma música que esteve na nossa dança e no desfile do Garoto e Garota FB, que nos rendeu o 3º lugar, com orgulho. Nos despedimos aqui!!!!

Ana Freire e Loren Benício.

Grito de Guerra M21CM FESTIVAL 2012

Por: Thiago Belo

“Festival se encerra
Nossa última batalha
O peito bate por amor
Não só pela medalha

Eu sei que eu sou forte
Juntos somos todos um
Temos No coração
Um sentimento em comum

Trilho a minha; nossa história
Desde que sou M6
Hoje brilha a 4ª estrela
Ao lado de outras 3

A música preenche
E transforma a nossa vida
Cooperamos sempre
Em busca de uma turma unida

Eu luto até o fim
Sem me arrepender depois
Meu último suspiro
Vai ser pela M2!’

Garoto e Garota FB M21CM FESTIVAL FB 2012:
Obrigada, gente!!!! Fiquem com Deus!

Gente, nós gostariamos de mostrar algo a vocês, é realmente muito lindo, só vai tomar 6 minutos do seu tempo e vai fazer bem, acredite. Esse vídeo que está aí embaixo é sobre um rapaz chamado Nick Vujicic e ele nasceu sem braços e sem pernas. Ele conta a sua história nesse vídeo e tudo bem, nós sabemos que não tem muito a ver com música, exceto pela parte em que ele toca um instrumento aí que nós não sabemos o nome ( tudo bem, podem rir de nós) e que ele consegue fazer diferentes batidas. Mas nós queríamos deixar essa mensagem a vocês, que se relaciona até com o post anterior sobre o Maestro João Carlos Martins. Nunca desistam de nada, nunca achem que é o fim ou que vocês não são o suficiente.

“Estou aqui, caído, face a face com o chão. Eu não tenho braços nem pernas. Se eu tentar me levantar 100 vezes e falhar todas as 100 vezes, se eu desistir, vocês acham que algum dia eu vou conseguir me levantar? NÃO. Eu tenho que tentar de novo, e de novo, até que um dia eu consiga. Nunca achem que é o fim, porque não é.” Nick Vujicic.

Com carinho,

Ana Freire e Loren Benício

Olá, pessoal! o Festival oficialmente acabou, o que é muito triste, já que foi meu último festival, assim como o da nossa querida Loren também… Mas, uma hora tinha de acabar mesmo e tudo  o que nós vivemos e fizemos foi maravilhoso durante essa semana que passou, com certeza marcou nossas vidas. Hoje estaremos postando mais algumas coisas interessantes sobre música e o seu poder de transformação social e… nosso último post será uma surpresinha, esperamos que vocês gostem!

Então, vamos ao assunto deste post: um exemplo de superação através da música. Vemos muitos destes na televisão, nos filmes etc., mas existe um, em especial, brasileiro, que nos faz refletir muito e nos encoraja a nunca desistirmos do que gostamos, apesar de tudo conspirar contra. Estou falando do maestro e pianista João Carlos Martins.

Começou a tocar piano aos oito anos de idade, quando seu pai lhe dera um e então, a paixão pelo instrumento foi descoberta. Venceu concursos em sua cidade e continuou a estudar piano. Aos onze, já estudava piano por cerca de seis horas diárias. teve aulas com os melhores professores do Brasil, inclusive o russo naturalizado brasileiro José Kiiass. Foi escolhido no Festival Casals para o Recital Prêmio num processo de seleção que incluía milhares de candidatos das três Américas. Tocou em ilustres Casas de Ópera e Teatros, como o Carnegie Hall.

Tudo ia às mil maravilhas, muito sucesso, muito talento, até que… Num jogo de futebol ele acaba se machucando, ocasionando o rompimento de um nervo e a perda dos movimentos da mão direita. Ele teve de parar de tocar por um périodo, alguns chegaram até a dizer a ele que ele nunca mais tocaria piano vivo. Conseguiu recuperar parte dos movimentos, mas com o tempo adquiriu uma doença chamada Contratura de Dupuytren, que é uma espécie de contratura fixa na mão, que pode variar desde pequenos nódulos a faixas muito espessas, impedindo o bom desempenho motor das mãos. Aí sim, João Carlos desacreditou de vez. Vendeu todos os seus pianos, não queria mais saber de nada que lembrasse seu sonho e sua carreira promissora como músico e então se tornou treinador de Boxe.

Apesar de tudo, sua paixão pela música não deixou-se dominar pelo desânimo e desesperança, então ele voltou a tocar, comprou novos instrumentos e procurou uma maneira de adaptar seus movimentos usando apenas a mão esquerda. Realizou grandes concertos e deu nova vida às peças clássicas. Um dia, quando saía de um concerto que realizara em Sophia, na Bulgária, foi assaltado e levou um golpe na cabeça, o que fez com que ele perdesse novamente boa parcela dos movimentos e ao tentar tocar, suas mãos doíam intensamente, principalmente a esquerda. Passou anos se submetendo a tratamentos e treinamentos e conseguiu aprender uma maneira de tocar com os dedos que ainda tinham boa movimentação.

“Eu estava sem rumo, em 2003, já sabendo que não poderia mais tocar nem com a mão esquerda. Sonhei então, que estava tocando piano, com o Eleazar de Carvalho, que me dizia: – vem para cá, que eu vou te ensinar a reger.” – palavras de João Carlos em uma entrevista. 

Este é um exemplo de superação e de como o incentivo da música é capaz de transformar vidas. A seguir, um depoimento de João Carlos Martins que foi ao ar na novela Viver A Vida, exibida pela emissora Rede Globo no ano de 2010:

Depoimento Maestro João Carlos Martins – Novela Viver A Vida:

No Carnaval de 2011 foi homenageado pela Escola de Samba  Vai-Vai, paulistana,  com o enredo “A Música Venceu” e chegou inclusive a reger músicos da Escola de Samba  na última alegoria, na qual se encontrava  no desfile. A Vai-Vai foi campeã do Carnaval em São Paulo nesse ano. Abaixo, segue trecho do desfile:

O Maestro também realiza um programa de Introdução À Música com jovens carentes da Faculdade da Amazônia (FAAM).

Nossa, eu achei realmente um grande exemplo de ser humano o Maestro João Carlos, não é? Mesmo com todos os problemas e entraves ele não desistiu de sua música e hoje incentiva as pessoas sem muita perspectiva nem condições a se aventurarem pelo universo das árias e valsas e polonaises… Se o mundo tivesse mais pessoas que nem ele, creio que a nossa realidade seria bem melhor. E aí, o que vocês acharam? Comentem e deixem suas opiniões, lembrem-se de que nossas postagens estão chegando ao fim… Abraços,

Ana Freire.

A Lenda de Orfeu E Eurídice

Image

 Olá, pessoal! Como estão indo com o Festival? Muito trabalho, não é?! Mas espero que estejam tendo um tempinho para conferir as atualizações do blog, os assuntos estão ficando cada vez mais interessantes e hoje eu queria falar sobre uma lenda grega: Orfeu e Eurídice. Esta é, acima de tudo, uma história de amor e de música, espero que gostem!

Orfeu era filho da musa Calíope com, segundo os populares, o deus Apolo. Era o músico mais talentoso de toda a Hélade, seu canto acalmava os pássaros e a melodia de sua harpa fazia as árvores curvarem-se para ouvir seu som ao vento; ele era a alegria da cidade. Orfeu era casado com uma mulher muito bonita chamada Eurídice, eles se amavam muito e eram muito felizes, porém, um certo homem chamado Aristeu acabou se interessando por Eurídice, que recusou suas atenções e assédios. Aristeu decide perseguí-la, e enquanto ela fugia, tropeçou numa serpente que a picou e a matou.

Image

Orfeu ficou muito triste com a morte de sua amada e decidiu ir ao Mundo Dos Mortos para resgatá-la. Ao chegar lá, a melodia de sua lira convenceu o barqueiro Caronte a levá-lo vivo pelo rio Estige; depois, sua doce ária fez adormecer Cérbero, o cão de três cabeças que guardava as estradas do Submundo; seu canto aliviou a tortura dos condenados e, finalmente, quando chegou ao trono de Hades, Senhor do Mundo dos Mortos, teve de aplacar sua fúria e convencê-lo a devolver-lhe Eurídice. Hades, a princípio, fica furioso por um homem vivo penetrar seus domínios, mas o canto triste e pungido de dor de Orfeu fê-lo chorar lágrimas de ferro e comoveu Perséfone, sua esposa, que implorou a Hades que permitisse a Orfeu levar sua amada de volta, e assim foi feito, mas com uma condição: a de que Orfeu não olhasse para Eurídice até que esta fosse atingida pela luz do Sol, no mundo dos vivos.

Image

Orfeu nunca estivera tão feliz e, enquanto se dirigia ao mundo dos vivos, tocava apenas cantigas alegres para guiar a sombra de Eurídice pelo caminho. Ele não olhou para trás em nenhum momento até atingir a luz do Sol e então, quando se virou para certificar-se de que sua amada estava ali, e por um momento a viu, perto da vida, próxima à sombra do túnel escuro de onde saíam, porém, ela se transformou novamente num fino fantasma e soltou um gemido final de amor e tristeza, então se foi, para sempre.

Orfeu então se tornou um homem amargurado, já não tocava mais, já não sentia algo de bom por nada, até que um dia, mulheres furiosas por terem sido desprezadas por ele, chamadas de Mênades, atacaram-no e o mataram cruelmente. Toda a Natureza se revoltou contra este ato mal e estas nunca mais encontraram felicidade nas suas vidas, foram transformadas em árvores ocas que o vento açoitava furioso por não ter mais as liras de Orfeu a embalar suavemente a brisa. Apesar de tudo, Orfeu juntou-se à sua amada no Submundo e lá ficou com ela para toda a eternidade, cantando e tocando para o submundo a música que antes tocava para os vivos.

Essa lenda é uma espécie de metáfora para representar o poder transformador que a música tem, a capacidade de dar esperanças ao mais desalentado dos corações e a constante que ela é em nossas vidas. Apesar de essa lenda não ter tido um final considerado como “feliz”, com Orfeu e Eurídice unidos na vida, ela acabou mostrando que a música é um ponto de união entre as pessoas, seja na vida, seja além desta. A Lenda de Orfeu E Eurídice serviu de inspiração a muitas obras ao longo dos tempos, como “Orfeu da Conceição”, de Vinicius de Moraes, uma peça de teatro escrita em 1954 e muito conhecida pelo famoso Monólogo de Orfeu:

Há também um filme feito em parceria entre Brasil, Itália e França, chamado “Orfeu Negro”, de 1959 e trata-se de uma adaptação cinematográfica da peça supracitada de Vinicius de Moraes. É ambientado no Brasil, mais precisamente em uma favela do Rio de Janeiro, na época do carnaval.

Uhm, acho que por hoje é só, pessoal! Espero que tenham gostado desse nosso papo sobre mitos e música, que acabou também incluindo um pouco de teatro, poesia e cinema… Bem diversificado, não é?! Achei muito muito linda essa história de Orfeu e Eurídice e mais lindo ainda o monólogo de Orfeu, escrito por Vinicius de Moraes, poeta, músico e compositor pelo qual tenho grande admiração! Deixem suas opiniões e comentários, gente, gostamos muito de saber o que vocês estão achando do nosso trabalho! Eu ainda volto, hein?! Até a próxima!!!

Ana Freire

Links das Imagens:

http://educacao.uol.com.br/artes/orfeu-e-euridice.jhtm

http://www.freewords.com.br/literatura/o-mito-de-orfeu-e-euridice

http://tvbrasil.ebc.com.br/programadecinema/episodio/orfeu-negro-0

Olá, leitores! Hoje irei falar um pouco sobre letras de músicas e o valor que elas carregam.

Todos nós gostamos de ouvir uma boa música, certo? Claro que optamos por estilos diferentes. Cada um de nós tem a liberdade de gostar de qualquer estilo musical.

Uma canção muitas vezes decifra o que estamos sentindo em determinados momentos. Chegamos até a pensar que  foram feitas sob medida para nós, não é mesmo? Muitas vezes nem ligamos para o que a letra descreve, apenas apreciamos a melodia. Mas quando paramos para ouvir, podemos perceber o quanto é bonita.

Então, eu selecionei  trechos de algumas músicas que nos transmitem mensagens muito bonitas, reflexivas e inspiradoras.

Imagine – John Lennon 

[…]

Imagine no possessions

[Imagine não existir posses]

I wonder if you can

[Me pergunto se você consegue]

No need for greed or hunger

[Sem necessidade de ganância ou fome]

A brotherhood of man

[Uma irmandade de homens]

Imagine all the people

[Imagine todas as pessoas]

Sharing all the world

[Compartilhando todo o mundo]

You may say

[Você pode dizer]

I’m a dreamer

[Que eu sou um sonhador]

But I’m not the only one

[Mas eu não sou o único]

I hope some day

[Eu tenho a esperança de que um dia]

You’ll join us

[Você se juntará a nós]

And the world will live as one

[E o mundo viverá como um só]

→  Enquanto Houver Sol – Titãs

[…]

Quando não houver esperança

Quando não restar nem ilusão

Ainda há de haver esperança

Em cada um de nós

Algo de uma criança…

[…]

Quando não houver caminho

Mesmo sem amor, sem direção

A sós ninguém está sozinho

É caminhando

Que se faz o caminho…

[…]

Algumas músicas como essas tentam nos passar um sentimento de confiança e perseverança através de suas letras.

Muitos músicos famosos já praticaram ações muito bonitas, como cantar músicas para crianças doentes, muitas vezes em fase terminal, dando-lhes força de vontade e proporcionando-lhes um pouco mais de alegria mediante à situação em que se encontram.

A cantora Miley Cyrus cantou a sua música The Climb para uma garotinha com algum tipo de doença que estava em seu show. Ela pediu para que esta subisse ao palco e cantasse ao seu lado. Essa música contém alguns trechos muito bonitos, querendo expressar mais ou menos assim “Continue, apesar de tudo”.

Keep on moving, keep climbing

[Continue em movimento, continue escalando]

Keep the faith, baby

[Mantenha a fé, baby]

 

It’s all about

[É tudo sobre]

It’s all about the climb

[É tudo sobre a escalada]

 

Keep the faith

[Mantenha a fé]

Keep your faith

[Mantenha a sua fé]

Aqui está o vídeo:
Se você está ouvindo alguma música agora (ou quando for ouvir alguma), pare para realmente ouvir e apreciar a letra. Veja o que ela lhe transmite!
Então é isso. Esse post foi dedicado ao tema “Música tranformando através de suas letras” .
Espero que tenham gostado!
Por: Loren Benício.

Links das imagens:

→ http://weheartit.com/entry/28242119

→ http://weheartit.com/entry/28338773

→ http://weheartit.com/entry/21975627

Link do vídeo:

→ http://www.youtube.com/watch?v=sad2_p1EOic

Olá, pessoal! Como vocês estão? Estão gostando do nosso blog? Eu estava com muita, mas muita vontade mesmo de conversar com vocês sobre Rock’n Roll, mas antes, eu tive de abordar alguns assuntos mais sérios… Bem, oficialmente o Festival FB 2012 já começou, então, nada melhor do que um pouco mais de adrenalina por aqui, vocês não acham? Então, vamos lá!

O Rock’n Roll, ou Rock And Roll, é um estilo musical que teve origem no Estados Unidos, entre o final dos anos 40 e começo dos anos 50. É oriundo de uma interação entre vários ritmos diferentes, como Country Music, Rhythm & Blues (R&B), Folk Music, Jazz, Gospel etc. Tem uma batida alegre e dançante que rapidamente contagiou o mundo inteiro e influencia até hoje o estilo de vida e as ideologias de muitas pessoas. As primeiras manifestações do que viria a ser o estilo ocorreram em locais como Memphis (TN), New Orleans (LA) e em várias cidades do Texas, quando o público branco começou a se interessar por ritmos como Jazz e Blues, considerados até então como próprios de pessoas negras, então, a maioria branca da Nação não prestigiava muito esses músicos.

O primeiro “tipo” de Rock a ser tocado foi o chamado Rockabilly, gravado e executado durante a década de 50 por artistas brancos, tais como Elvis Presley, Carl Perkins e Lee Lewis. Destes, o que mais notadamente se destacou mundo afora foi o Elvis, com composições variadas, desde românticas até aquelas que eram usadas para se dançar twister, uma variante de dança de salão da época. Os primeiros grandes sucessos do Rock’n Roll foram:

 – That’s Alright (Mama) – Elvis Presley:

 – Rock Around The Clock – Bill Haley And His Comets

Normalmente, a loucura e obsessão das fãs em torno de um ídolo jovem tem seu início considerado na época dos Beatles, mas antes disso ouve um cantor que conquistou muitos corações, por sua bela voz, sua boa aparência e seu carisma: Frank Sinatra. Ele começou a fazer sucesso em meados dos anos 40 e passou pela fase do Rock’n Roll também, apesar de seu estilo ter como marca a música romântica, ou Rock Ballads, como costumam chamar os especialistas. Desde então o público teen recebeu mais atenção das gravadoras e demais setores da mídia, com a criação de revistas de celebridades, os posteres, as promoções e o alargamento das vendas de LP’s. As primeiras revistas criadas foram Seventeen, em 1944, nos EUA e Honey, em 1960, na Inglaterra. A Revista Seventeen existe até os dias de hoje e tem grande importância no ramo.

Apesar de toda essa alegria e animação que o Rock’n Roll parece ter trazido ao mundo, o mesmo surgiu num período tenso da história americana no qual as divergências raciais estavam em plena efervescência e teorias como “Separate But Equal” (“separem os iguais”) eram disseminadas no seio da sociedade para justificar a segregação existente.

“Apenas para os de cor.”

O Rock’n Roll teve impacto enorme em todo o mundo, pois influenciou estilos de vida, comportamento, comunicação e moda; acredita-se inclusive que este ajudou consideravelmente a luta pelos Direitos Civis, já que era um ponto de encontro entre os dois gêneros então separados, mostrando que uma sociedade está além da cor da pele de seus componentes.

E se essa influência foi mundial, vocês podem ter certeza de que, se os EUA lideraram o movimento, o Reino Unido também se engajou e trouxe muitas inovações ao cenário musical do Rock’n Roll. Muitas bandas e cantores começaram a surgir então, alguns tiveram sucesso, como Lonnie Donegan e The Vipers, outros não obtiveram a fama desejada, como Nancy Whiskey (sim, uma mulher que tentou carreira como cantora de Rock’n Roll na Inglaterra e ainda tocava violão, certamente um choque nos valores conservadores da sociedade inglesa), mas é fato que o Rock inglês só começou a ser respeitado mundialmente depois do surgimento dos Beatles, seguidos dos Rolling Stones e da banda The Blueman, que seria uma das bandas de estreia do lendário guitarrista Jimmy Page, conhecido principalmente por ser membro fundador da famosa banda de Rock Led Zepellin.

“The Beatles vs The Rolling Stones :

Ainda hoje há dúvidas de qual foi a mais talentosa ou a melhor sucedida.”

Desde então, o Rock alcançou lugares cada vez mais longínquos e suas viagens garantiam renovações e vertentes criadas, o que resultou na diversa variedade de estilos de Rock que vemos atualmente, tais como Classic Rock, Indie Rock, Heavy Metal, Gothic Metal, Progressive, Punk Rock, Pop Rock, Organic, Trash Metal, Alternative, Grunge, New Wave etc. Algumas bandas famosas desses gêneros são:

  • The Smiths – Indie Rock (UK);
  • Sonic Youth – Indie Rock (EUA);
  • Metallica – Heavy Metal/Trash Metal (EUA);
  • Bauhaus – Gothic Metal (UK);
  • Sex Pistols – Punk Rock (UK);
  • Anthrax – Trash Metal (EUA);
  • November – Progressive (DIN);
  • Kiss – Hard Rock (EUA);
  • Angra – Power Metal/Progressive/Heavy Metal/Neoclassic (BRA);
  • Pink Floyd – Psicodelic/Progressive (UK);
  • Die Toten Hosen – Punk Rock (ALE);
  • Nirvana – Grunge (EUA);
  • Alice In Chains – Heavy Metal/Grunge/Alternative (EUA);
  • Black Sabbath – Heavy Metal (UK).

A maioria, senão todas as bandas supracitadas continuam exercendo algum tipo de atividade atualmente, dado o seu renome e as marcas que deixaram nas gerações com as quais tiveram contato. Com elas e muitas outras, que não caberiam neste post, o Rock’n Roll assumiu diversas características que o fizeram hoje, democraticamente, ser chamado apenas de Rock, dada a rica diversidade de subgêneros existentes e que contam com grande aceitação pelos ouvintes.

Há muitos festivais e pontos de encontro entre os grandes nomes do Rock mundidal, tanto nos Estados Unidos e na Europa, como em países como o Brasil. Alguns desses grandes eventos são o Festival de Música de Glanstonbury, na Inglaterra, o Rock’n Rio, que acontece no Brasil, na Argentina, em Portugal e na Espanha, em anos alternados, Sweden Rock Festival, na Suécia, Lollapalooza, em Chicago, Primavera Sound Festival, em Barcelona etc.

Bom, pessoal, eu acho que por hoje é só! Foi longo, não foi, esse nosso papo? Mas eu me diverti bastante, foi bom conhecer mais sobre um estilo musical tão legal que nem o Rock… Quem diria que Frank Sinatra foi o primeiro ídolo teen e que o Rock ficaria tão famoso assim com o decorrer dos anos?! Espero que tenham gostado e, por favor, deixem suas opiniões, críticas e comentários, adoro saber o que estão achando do nosso trabalho! Para mais informações e dicas de música, consulte a página dos Links de Aprofundamento! Até breve!

Ana Freire.

Links das Imagens: http://ateotalamo.wordpress.com/tag/rock-n-roll/

http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-424910004-revista-photoplay-1954-tony-curtis-frank-sinatra-hollywood-_JM

http://socialproblemsucd.wikispaces.com/Racial+Discrimination

http://acritica.uol.com.br/vida/Beatles-Rolling-Stones-Manaus_0_548945206.html

http://imageshack.us/photo/my-images/162/deathmetalholocaustbyin.jpg/sr=1

http://modaparahomens.virgula.uol.com.br/2011/09/19/como-se-vestir-para-um-festival-de-musica/

Olá,  leitores. Hoje irei falar sobre o quanto a educação musical é transformadora na vida das crianças e dos jovens.

A audição é um fator muito importante na vida das pessoas, desde a gestação. É através dela que podemos interagir melhor com o mundo, com mais equilíbrio.

Crianças e jovens que convivem desde cedo e diariamente com a música estão sujeitos a um grande desenvolvimento corporal. Aqueles que antes apresentavam uma postura agitada, conturbada, tornam-se mais calmos, relaxados e concentrados. Até mesmo os que antes eram bem tímidos tornam-se mais abertos a relações sociais. Jovens que antes eram bastante agressivos e rebeldes, ganham um comportamento bem mais adequado. Ganham uma desenvoltura melhor e aprimoram-se mais.

A neurociência e muitas outras pesquisas que estudam o cérebro comprovam que a música atua em quase todas as áreas cerebrais. Nada escapa de ser estimulado e trabalhado. Assim, as crianças e os jovens, ao manterem contato com a música, são mais estimulados, desenvolvem mais suas capacidades criativas e adquirem mais conhecimentos.

É muito importante que esse tipo de aprendizagem comece bem cedo. Sendo assim feito, a criança terá  sua linguagem, coordenação motora, compreensão, interação e aceitação de limites estabelecidas mais cedo. É um processo que ajuda bastante no seu desenvolvimento!

Curiosidade!

Com os estímulos musicais e sonoros os dois hemisférios cerebrais são estimulados ao mesmo tempo, já que a música em seus elementos é processada em ambos. Está comprovado em laboratório também o aumento do corpo caloso (responsável pela comunicação dos hemisférios), córtex motor, cerebelo, hipocampo (memória), córtex auditivo, maior concentração de massa cinzenta (responsável pelo processamento das informações) nas áreas motoras, auditivas, visuoespaciais e área de Broca (fala) no cérebro dos músicos.

Não é preciso ensiná-los somente para que façam sucesso algum dia, mas sim para que eles se tornem pessoas melhores, completas e mais felizes! Também vale salientar o imenso valor cultural oferecido a esses pequenos aprendizes.

Abaixo segue um vídeo inspirador de uma pequena cantora chamada Connie Talbot, demonstrando o seu grande talento: cantar!

Muitos não têm medo de afirmar: “A educação musical transforma!”

Espero que tenham gostado!

Por: Loren Benício.

Links das imagens:

→ http://weheartit.com/entry/28299132

→ http://www.mvqq.info/?p=118

→ http://special-needs.families.com/blog/how-music-therapy-can-help-your-child

→ http://weheartit.com/entry/19911475

→ http://artsedge.kennedy-center.org/educators/standards/full-text/K-4-standards.aspx

Link do vídeo:

→ http://www.youtube.com/watch?v=QctmSKQSNoY

Nuvem de tags